terça-feira, 17 de abril de 2018

INGRESSOS DO BAILE ESGOTADOS

ATENÇÃO INGRESSOS PARA O BAILE NO MUSEU ESTÃO ESGOTADOS!!! 

Ficamos muito felizes por todos que compartilharam a ideia, agradecimentos aos jornalistas que nos divulgaram e aos amigos que repassaram, e acabou tudo! 

Serão apenas 200 participantes do evento, justamente porque é um museu e queremos que todos circulem confortavelmente e com segurança ao acervo. 

É grande nossa responsabilidade tanto com o patrimônio quanto com nosso público... lamentamos muito por quem não conseguiu seu ingresso e uma vez atendidas as expectativas desta primeira edição, certamente vamos projetar uma nova edição. 

Temos certeza que este baile, além de proporcionar uma experiência histórica imersiva, contribui para ampliar o público do museu, através de um novo mailling que se formou para divulgarmos assuntos da mesma qualidade, oportunidades de experenciar memórias de uma forma agradável e lúdica. 

Continuem em contato que ainda tem muito mais vindo por ai!

quinta-feira, 5 de abril de 2018

O Baile enquanto Patrimônio Imaterial



"A Constituição Federal de 1988, nos artigos 215 e 216, estabeleceu que o patrimônio cultural brasileiro é composto de bens de natureza material e imaterial, incluídos aí os modos de criar, fazer e viver dos grupos formadores da sociedade brasileira. Os bens culturais de natureza imaterial dizem respeito àquelas práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas e nos lugares, tais como mercados, feiras e santuários que abrigam práticas culturais coletivas."
 Fonte: Site do IPHAN

Constam do acervo material do Museu Julio de Castilhos diversos itens que se referem a ocasiões formais, inclusive festivos, como as indumentárias utilizadas em bailes.

O Baile, no formato clássico, homens e mulheres bem vestidos dançando aos pares, certamente faz parte da memória afetiva da sociedade gaúcha e o Museu Julio de Castilhos vem resgatar esta prática social, este acervo imaterial que se reforça ao ser exibido no lugar de guarda da memória,  conversando com o próprio acervo do museu e suas arquiteturas, propondo, através de sua Associação de Amigos, uma experiência coletiva imersiva ao oferecer um Baile de Máscaras.

Para este evento,  a casa tombada de Julio de Castilhos será devidamente isolada e o acervo devidamente protegido. O Baile se realizará nas áreas do prédio 1205, sem acesso direto a acervos, mas que terá uma iluminação atmosférica que irá valorizar a arquitetura também histórica (mas não tombada) da edificação, lounges temáticos com reproduções - auditório e passarela, acesso ao jardim dos canhões e copa.

Completa essa atmosfera o mistério lúdico das máscaras. Os Bailes de Máscaras surgiram da tradição do século XVIII, onde a nobreza se disfarçava para sair e misturar-se com o povo. Obviamente a prática agradava não somente aos nobres, pois o disfarce servia aos mais divertidos jogos de identidade entre os participantes. No Baile de Máscaras não será permitida entrada sem máscara. Caso apareça alguém esquecido, estarão disponíveis para aquisição na recepção do Baile.

O 1º Baile de Máscaras do Museu Julio de Castilhos será em homenagem aos 50 anos do Conselho Estadual de Cultura - CEC, organização com representantes das mais diferentes áreas culturais de todo o Estado e também fará homenagens (via "set list")  aos 130 anos de Ernesto Nazareth, magnífico compositor brasileiro, muito apreciado nos bailes de outrora, endossando a apresentação de acervos imateriais.

Das 19 às 20 horas os convidados serão recepcionados ao salão nobre do baile por um conjunto de músicos - violino, violoncelo e acompanhamentos, assim como a copa já estará disponibilizando bebidas e petiscos.

A  partir das 20 horas, a discotecagem de clássicos como Glenn Miller, Frank Sinatra, Liza Minelli, Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth entre outros das décadas passadas, ficará por conta do DJ Luciano e da DJ Adriana Banana, nossa Carlota Joaquina, que também estará performando danças de época.

Entre um momento e outro, os músicos voltam ao salão, o piano do auditório pode tematizar o lounge da copa ou os convidados poderão tomar um ar no jardim dos canhões.

O baile encerrará à meia noite, com direito a brinde de licor.
Uma noite inesquecível para viver o glamour de outras épocas, num ambiente que será pura atmosfera.

Ingressos, que serão limitados a 100 pessoas,  podem ser solicitados pelo e-mail:  museujuliodecastilhos@gmail.com



quarta-feira, 4 de abril de 2018

Novidades de Abril



Museu Julio de Castilhos recebe dia 12 Tonda Pecoits com o show Thelonious Monk Especial
O projeto Tempos da Música, do Museu Julio de Castilhos, recebe no dia 12 de abril (quinta-feira), o pianista Tonda Pecoits. Ao lado dos músicos Luciano de Leon (baixo) e Lucas Fê (bateria), Tonda apresenta o Thelonious Monk Especial. O show ocorre às 19h, no Salão Nobre do museu, com ingressos a R$ 25. 
Thelonious Monk foi um genial músico de jazz, com um peculiar estilo de tocar piano, extremamente econômico e ritmicamente abstrato. Durante toda sua trajetória, embora por vezes incompreendido, se manteve fiel à sua original identidade. Como compositor foi criador de melodias marcantes com harmonias surpreendentes, muitos de seus temas tonaram-se jazz standards.
Tonda PecoitsGaúcho de Porto Alegre, Tonda viveu 15 anos em Munique, na Alemanha, onde teve aulas de piano Larry Porter, pianista de jazz de New York. A diversidade musical da Europa proporcionou o contato com inúmeros artistas e gêneros musicais e culturais.
Gravou um disco com Alegre Correa, em Viena, com a participação de Hermeto Paschoal, e outros dois com Raiz de Pedra, na Alemanha, um dos quais com Egberto Gismonti como convidado especial. De volta ao Brasil, Tonda Pecoits atuou com vários artistas, como Vitor Ramil, Ney Lisboa, Bebeto Alves e Peri Souza, e integrou os grupos instrumentais Raiz de Pedra e Circuito Emocional.
Sobre Tempos da MúsicaIdealizado pela diretora do Museu Julio de Castilhos, Gabriela Correa da Silva, com curadoria do pianista João Maldonado, o projeto Tempos da Música acontece uma vez por mês, sempre às quintas-feiras, com músicos tocando/cantando/contando um período da História.
SERVIÇOO quê: Tempos da Música recebe Tonda Pecoits em Thelonious Monk Especial.
Quando: 12 de abril | Quinta-feira.
Onde: Museu Julio de Castilhos (Rua Duque de Caxias, 1205, Centro Histórico de Porto Alegre).
Ingresso: R$ 25.


ABRIL DO ÍNDIO E DO DESCOBRIMENTO

Abril do descobrimento do Brasil e do dia do Índio traz como novidades um Totem Intervenção na Sala Indígena, colocando em evidência pontos em comum entre os diferentes povos originários do país, reforçando a importância destes primeiros cidadãos que habitaram o estado.

terça-feira, 27 de março de 2018

Cidade das Crianças

O projeto Cidade das Crianças, sob articulação de Ana Marta Meira, fomenta processos de criação coletiva em atividades artísticas e lúdicas tendo como horizonte os olhares das crianças sobre a cidade de Porto Alegre. 

No sábado, dia 24 de março a Cidade das Crianças realizou uma visita ao Museu Júlio de Castilhos, localizado no Centro Histórico de Porto Alegre. Nas palavras da professora Ana Marta, a recepção das crianças foi ótima e a mediação de Gabriel propiciou muitas conversas, olhares e questões. Às crianças foi dirigida a escuta e a visitação, com tempo para suas elaborações e experiências.

O Museu Julio de Castilhos vem incrementando sua programação educativa  através de ações que vão além da visita guiada e buscam interfaces com os universos do público.







OSPA NO MUSEU

No próximo dia 07 de abril, a OSPA volta ao Museu Julio de Castilhos para apresentar novo repertório da Série Música de Câmara.
São apenas 90 lugares em nosso salão nobre, com entrada gratuita ao espetáculo de altíssima qualidade e que certamente encantará o público presente.
Chegue cedo e aproveite para visitar o museu, que neste abril conta com novidades na sala indígena, homenageando o Dia do Índio ao exibir peças diferenciadas de nosso acervo sobre o tema.
Após o concerto, o museu permanece aberto por mais meia hora para que os visitantes visitem o museu.
Camerata Fiorentina
Data do Recital : 07/04/2018 às 17:00 horas
Local: Museu Júlio de Castilhos
R. Duque de Caxias, 1205 - Centro Histórico, Porto Alegre
Visitação: De terças à sábados das 10 às 17 horas.

segunda-feira, 19 de março de 2018

Programação Sábado 24 de Março


Neste próximo sábado, dia 24 de março, às 19 horas, magnifico espetáculo de fados e música portuguesa.

Já garantiu seu ingresso??? Não deixe para a última hora, são apenas 40 lugares e mais da metade já está vendido.

Ingresso Antecipado: R$ 25 + taxas pelo link: goo.gl/9J1P1B


Caso haja ingressos no dia, eles serão vendidos no local, uma hora antes do início do espetáculo.

Informações com a produtora Sete Marias, fone 3557.1154 ou 984821871

*************** INFORMATIVOS IMPORTANTES ***********

OFICINA COM DATA REMARCADA

Aproveitamos para informar que a oficina DEUS SALVE O REI, prevista para 24 de março, por questões técnicas será remarcada.

OSPA NO MUSEU - 07 de abril

A Apresentação da Série MÚSICA DE CÂMARA da OSPA prevista para o dia 14 de abril, será antecipada para o dia 07 de abril, às 17 horas, com entrada franca! Lugares limitados.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Palavras da Organizadora da Exposição


Sutilezas do Protagonismo é a exposição temporária que abre neste Dia Internacional da Mulher, 08 de Março, pesquisada e pensada por Mariana Porto, integrante do corpo técnico do Museu Julio de Castilhos e acadêmica em História. 

Para brindar este dia, nada melhor que suas palavras...

Sutilezas do Protagonismo 
por Mariana Porto

            Anos como coadjuvante dentro da história, submissas avós,  mães, filhas, por anos sofrendo violências, muitas vezes em silêncio e abandonadas à própria sorte, tendo que suportar o machismo social - exercido por homens E mulheres, eis que em algum momento elas decidem dizer não, se negando a aceitar esse tipo de ofensa e opressão.
            A partir dos ideais de Simone de Beauvoir, com o seu manifesto sobre feminismo, o protagonismo e o que é ser mulher, o papel das mulheres dentro da sociedade inicia uma jornada de mudanças na busca por mais igualdade de gênero e socioeconômica.
            Numa sociedade em que a mulher já conquistou muitas vitórias como direito ao voto ou entrar no mercado de trabalho, a igualdade de gênero real ainda não existe. Vemos um contexto em que mulheres ganham 30% a menos e que ainda são questionadas pela sua capacidade de trabalho, onde troca-se o reconhecimento do esforço de seu trabalho por relações de sexualização.
            Podemos enfatizar também que a luta diária do feminismo é pelo fim da violência de gênero. No nosso país, segundo o IPEA, a cada 10 minutos uma mulher é estuprada, e a cada 90 minutos uma mulher é assassinada, e também segundo a Secretaria de Políticas para Mulheres do Governo Federal, a cada 12 segundos uma mulher é violentada. E isso ocorre pelo simples fato de as mulheres serem mulheres. Já, ao contrário, nunca encontramos homens sofrendo abusos diários por serem homens. Não é possível contrapor ser machista ou feminista, pois o conceito de feminismo nunca será o contrário de machismo. As feministas querem a igualdade na sociedade, diferente da ideia de oprimir o outro gênero como ocorre com machismo.
            No dia 08 de março, o dia da Mulher, uma data marcada por lutas e  greves realizadas por mulheres que batalham por seus ideais, realiza-se uma exposição dedicada ao tema. Um museu que, na sua grande maioria, relata a história de homens gaúchos abre foco para a história da mulher, com doações feita por mulheres, e, apesar de ser um pequeno recorte, os funcionários do museu, homens e mulheres, acreditaram que se torna uma exposição muito importante, dentro do espaço Museu Julio de Castilhos, por expandir a forma de contar a história de todos.
            Para encerrar e propor reflexão, que sutileza é essa que envolve esta mulher que tanto luta? A que custo se projeta sua representação dentro do protagonismo histórico? Aplausos para aquelas que nos antecederam e muita força para as tantas que dia a dia reafirmam posições e estabelecem parâmetros mais justos para as futuras gerações.