Exposições


Exposições de longa duração
                            
                             Sala Julio de Castilhos

A sala localiza-se no prédio principal do Museu. No espaço é possível observar objetos pertencentes ao patrono da instituição. A exposição divide-se em duas partes: a vida política de Julio de Castilhos, onde está o gabinete de trabalho e a primeira constituição estadual de 1891; e a sua vida privada, onde estão expostos os móveis que pertenceram à família de Julio de Castilhos. 

O mobiliário exposto busca representar o estilo empregado na época em que Julio de Castilhos viveu na Casa. Os móveis em estilo Império, com uma influência inglesa e portuguesa, são sóbrios e possuem detalhes em madeira, torcidos ou canelados, enroscados ou em gomos.



                                Sala Farroupilha

A Sala está localizada no prédio anexo ao Museu, segundo andar. Estão expostos diversos objetos relacionados à Guerra Farroupilha: pinturas a óleo e guache sobre tela, objetos de armaria, objetos pessoais do líder Bento Gonçalves, lanças, um fac-símile do Jornal O Povo, entre outros. A Instituição possui um dos maiores acervos sobre o período. A Exposição objetiva elucidar um dos principais acontecimentos da história do Rio Grande do Sul.





Sala Indígena

O acervo reúne exemplares da cultura material dos grupos que habitaram o território sul-rio-grandense no período pré-colonial e que constituem a história do povoamento inicial do Estado. Há objetos de caçadores-coletores, de pescadores-coletores e de grupos ceramistas. 
São expostos variados artefatos produzidos em pedra, com distintas técnicas de confecção, como: pontas de projétil, pontas de lança, raspadores (associados à Tradição Arqueológica Umbu), pesos de linha, pesos de rede, fusiformes e esculturas em formas de animais (associadas à Tradição Arqueológica Sambaqui) e machados polidos, tembetás, polidores (associados à Tradição Guarani). Além disso, são expostos objetos das Tradições ceramistas do Estado (Guarani e Taquara), como vasilhas, ornamentos, cachimbos e urnas funerárias. 




                                    Sala Missioneira


A estatuária Missioneira se constituiu em um dos mais importantes segmentos do acervo do Museu Julio de Castilhos, sendo reconhecida, internacionalmente, pelo seu grande valor histórico e artístico. As peças foram, na sua grande maioria, doadas ao Museu em 1903, por Salvador Pinheiro Machado, então intendente de São Luiz Gonzaga, município gaúcho da região das Missões.
A arte Missioneira está ligada ao Barroco e ao Renascimento, movimentos europeus que, no projeto de evangelização dos jesuítas, se expressou na arte executada pelos índios, assumindo, em função disto, características que lhe dão extrema originalidade. Nestas peças, revelam-se o sincretismo religioso e o apego à natureza.








MUSEU JULIO DE CASTILHOS
Visitação: terças a sábados, das 10h às 18h

Rua Duque de Caxias nº 1205
Centro Histórico, Porto Alegre, RS
Telefone: 3221.5946
museu_juliodecastilhos@sedac.rs.gov.br